Évora em Nós

terça-feira, dezembro 26, 2006

Ainda sobre o Natal...

Mais um desabafo de Natal...

Este ano andei a gabar-me a todos porque, finalmente, em muitos anos, íamos juntar 25 pessoas no Natal.

Dia 23 já estávamos os primos mais novos a organizar tudo, a criar uma mesa gigante e um ambiente de sonho. Foi qualquer coisa...! A meia noite eu e a minha prima fomos as maes natal, cheias de espirito natalicio a distribuir as prendas.

Dia 25, alguns já nao puderam ir, e outros que nao tinham estado presentes dia 24 juntaram-se a festa. Novamente um monte de gente a partilhar os laços e os sentimentos que nos unem, foi lindo.

Contudo, e porque infelizmente as coisas nem sempre sao perfeitas como nós gostariamos que fossem, depois de almoço, pelas 15 horas e tal, uma das senhoras mais velhas tinha de se ir embora. Despediu-se dos que estavam no salao, despediu-se dos que estavam na cozinha... e depois so ja me lembro de ouvir um grito abafado, pancadas secas e, por fim, um estrondo enorme. Sem combinarmos, fomos todos a correr para as escadas. E lá estava, no fundo estendida de barriga para baixo, a senhora.Uns ficaram calados na esperança de ouvir a sua voz ou de a ouvir ou ver mexer. Os outros fugiram em panico. Em 5 minutos as risadas deram lugar a um choro convulsivo. Foi a sensaçao mais horrivel de toda a minha vida... porque a senhora nao falava, nao se mexia... para nós estava morta...

Liguei para o 112, dei todos os dados, mas nao sabia a morada e, para alem disso, tive de dizer que nao sabia se a pessoa estava viva ou morta... Entao tive de descer as escadas, passar por cima da senhora, e ir la fora ter com alguem que soubesse a morada. Foi a imagem mais arrepiante que ja tive na minha vida, nunca tinha visto tanto sangue. La consegui a morada.

Foram 15 minutos até a ambulância chegar mas, para nós, foi uma hora! Todos a tremer a tentar consular-nos uns aos outros, e a minha mae e a minha tia ficaram ao lado da senhora na esperança dela acordar.

Quando todos menos esperavam, ela acordou! Foi um alívio conjunto, um peso tirado de cima. Mas, ao mesmo tempo, a incerteza do que nos é desconhecido... nao sabiamos se ela ia sobreviver, o que tinha, se a ambulancia ia chegar rapido...! Ela falou entao, estava extremamente consciente: conseguia mexer as pernas mas doiam-lhe os braços. Tinha frio porque o chao do monte é muitíssimo frio.

Depois de uma suposta eternidade, a ambulancia chegou. O marido da senhora demonstrou uma imensa coragem e nao foi com ela na ambulancia porque sabia que em Portalegre ia precisar do carro para tratar de coisas para a mulher. Mostrou a calma que nenhum de nós tinha, sorriu, acalmou-nos, e foi, atrás da sua amada.

Escusado será dizer que, sem falarmos, voltámos para dentro e começámos a arrumar o nosso Natal perfeito, estragado por uma tragédia. Em menos de uma hora o salao voltou ao que era, as paredes ficaram sem vida e as pessoas foram embora.

Fiquei sem vontade de viver fosse o que fosse, nao queria ir a casa de mais ninguem nem dar mais presentes. Mas era Natal... entao engoli em seco e tive de ir visitar algumas pessoas... so eu sei o que me custou... o pensamento estava sempre na imagem da senhora cheia de sangue a gritar de dor.

Depois das visitas fomos ao hospital ver da senhora... nao estava la ninguem. Ligámos. Tinha ido para Lisboa... dois pulsos partidos, um corte na cara enorme que ja havia sido cosido, e um hematoma que nao se percebia muito bem no que tinha resultado, acusado pela TAC!

Entao ca continuamos todos com o coraçao nas maos sem saber o que esperar...

E a mim ficou a sensaçao que o meu espirito natalicio, que este ano tinha voltado em força, se esvaiu com as experiencias, e tao depressa nao volta!

Desculpem o desabafo... mas li o post da Bula e algo me soou a familiar.

Um beijo enorme, sobre o ano novo falarei noutro dia.

1 Comments:

  • Hello Gadjet. Espero que tenha ficado tudo bem com a senhora e que não tenha sido mais do que um valente susto. E já agora, um bom ano para a menina. Boas saídas e muito melhores entradas :)

    By Blogger Bula, at 30/12/06  

Publicar um comentário

<< Home